sábado, 11 de junho de 2011

Namoro de ocasião

Uma crônica em "homenagem" ao Dia dos Namorados


Como qualquer data comercial, o Dia dos Namorados também é um dia cretino. Aliás, talvez a mais cretina de todas as datas em que você é forçado a comprar um presente. O Dia dos Namorados ganha até do Natal e da Páscoa em termos de data mais cara de pau do calendário. Sim, pois a questão desse dia não é desejar "paz ao mundo aos homens de boa fé" e comer peru com aqueles parentes insuportáveis, muito menos se entupir de chocolate só porque Cristo ressucitou pelo enésima vez em um domingo. Não.

O Dia dos Namorados é pior. Ele é mais vil, pois além de nos incutir a obrigação moral de comprar algum presente ridículo e brega (como aquelas almofadas de coração com bracinhos com o escrito "Te amo um tantão assim"), ele dissemina um pseudo-senso de romantismo exacerbado nas criaturas ao mesmo tempo em que nos faz refletir sobre nossa condição de seres carentes/necessitados/solitários/abandonados/infelizes, etc.

É incrível, mas mesmo aqueles que se dizem alheios ao assunto acabam cedendo de alguma forma para a "importância" da data. O Dia dos Namorados consegue a façanha de incomodar até os solteiros convictos e os niilistas de plantão, que mesmo no alto de seu desdém romântico, ainda se importam em emitir pareceres indignados quanto ao dia 12 de junho.

No entanto, para o resto dos mortais, a data é sentida pelo peso que ela se propõe a ter. Para aqueles que namoram, o dia 12 tem o seu aspecto sacro. O ritual de comprar um presente, escrever um cartãozinho meloso, jantar um fondue e beber um vinho, e ainda ir para aquele motelzinho fazer um "papai e mamãe" faz parte do imaginário da data, e muitos colocam isso acima da própria importância da relação. Não importa se o namoro ande uma merda; dia 12 ele tem que dar rosas para ela não se sentir a pior pessoa do mundo. Dane-se se aquele casamento de 10 anos passa por uma crise abissal; na noite do Dia dos Namorados os dois vão sair para jantar em um restaurante caro e depois vão transar em nome da obrigação do rito. É eu sei, hipocrisia social mandou lembranças.

Mas como disse no início desta crônica, isso faz parte da cretinice da data, como é comum em todas as datas comerciais. Natal só é Natal porque o Papai Noel é o verdadeiro espírito capitalista e Páscoa só é Páscoa porque Jesus Cristo era chocólatra e fã do Pernalonga. Com o Dia dos Namorados é a mesma coisa. As lojas não penduram centenas de coraçõezinhos vermelhos em suas vitrines porque é o dia internacional do transplante cardíaco ou porque é dia de dizer àquela pessoa especial que você a ama. Óbvio que não. O esquema é o mesmo de sempre: compre e mostre seu amor em 6 vezes sem entrada no cartão.

Sim, pois muita culpa de nos sentirmos tocados por essa data vêm dos apelos comercias vida a fora. Você liga a TV e vê propagandas emocionantes de perfumes com casais perfeitos protagonizando cenas tenras de romance barato; abre o jornal e se depara com um ensaio sensual de lingerie com os dizeres do tipo "neste Dia dos Namorados abuse de sua sensualidade". Porra! A interpelação midiática chega a ser covarde! Por isso, mesmo que você não namore ou coisa do tipo, você acaba vivendo a data da mesma maneira.

Se você está solteiro, você é automaticamente apartado da data. Sim, pois todo mundo pode ganhar presentes no Natal, mas no Dia dos Namorados só quem namora. E todo mundo sabe como é um saco ver todo mundo abrindo presentes na sua frente e você não ganhar nada! A carência é irmã do egoísmo. Diante dessas circunstância, bate aquela revolta clássica contra a data. Surgem aquelas manifestações clichês: "eu não passo o 'Dia da Árvore' com uma árvore nem o 'Dia do Índio' com um índio, então por que eu passaria o Dia dos Namorados com um namorado?". Resposta: porque, não, porque você não teve competência para isso! Então, se vire e aguente as histórias de suas amigas no outro dia se exibindo de como foi maravilhosa a noite do dia 12 e sacudindo as quinquilharias que ela ganhou do namorado "perfeito". Mas não se encane com isso, provavelmente a ocasião não foi nada daquele filme romântico que ela narrou. É tudo uma questão de exibicionismo. (Aproveite e destile seu ódio e seu recalque nesta criatura, hahaha).

Mesmo assim, a grande maioria não entra nessa onda de revolta gratuíta. Muita gente cai na armadilha do namoro por ocasião. Ora, já que a data é cretina, vamos ser cretinos também. Dessa maneira, muitos promovem aquele rolo meia boca do fim de semana a um namoro sem ter a miníma e real vontade de namorar, só para não passar o dia 12 de junho "sozinhos". Ou então, aquela relação que está só se segurando pelos fiapos aguenta mais um pouco em nome da troca de presentes. E dá-lhe flores e bombons que vão durar mais tempo que o relacionamento.

Esta é a realidade, e infelizmente a coisa não vai muito longe disso. Mas antes que vocês pensem que eu, o Sr. Apêndice, estou mais uma vez despejando um recalque insensato em cima de uma ocasião necessariamente importante no mundo das relações, eu me defendo: é normal se sentir assim. Afinal, a culpa não é nossa, pobres mortais atirados no Coliseu do amor e entregues aos leões da realidade. É a nossa sina, e nós que vamos morrer, saudamos o imperador.

Bem, depois deste manifesto, creio que não vou parecer tão cretino em desejar a todos, namorados, solteiros, casados ou enrolados um Feliz Dia dos Namorados! Aproveitem seus ursinhos de pelúcias e suas fronhas de melhor namorado(a) do mundo, e se exibam bastante. Corram, e arranjem logo alguém para você sair para jantar neste dia 12, porque daqui há alguns dias, ninguém vai se importar mais com isso...

16 comentários:

  1. O Dia dos Namorados é pior. Ele é mais vil, pois além de nos incutir a obrigação moral de comprar algum presente ridículo e brega (como aquelas almofadas de coração com bracinhos com o escrito "Te amo um tantão assim") isso ai é viadagem... experimenta fazer que nem eu e dá um espartilho, uma cinta liga, e uma coleira pra mina que tu vai ver que teu dia dos namorados vai ficar bem mais divertido.

    ResponderExcluir
  2. concordo. dias dos namorados pra mim é data nula: pela solidão e pela imposição do comércio e da mídia. foda-se.

    grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Quem ama de verdade não espera por uma data pra manifestar seus sentimentos. Concordo com você em tudo... 12 de junho, a data celebrada pelo comércio!
    Ótimo texto!
    Beijos
    Amanda Ramalho

    ResponderExcluir
  4. Sr. Apêndice não nos decepciona! Senta o pua nesta data "cretina" como ele mesmo disse! E realmente, é muita papagaida comercial, rsrsrs...
    "Jesus Cristo" chocólatra e fã do Pernalonga" - ri muito! Beijos

    ResponderExcluir
  5. Somos vítimas do comércio mesmo! Acabamos gastando dinheiro em coisas que não servem para nada. A data fica na lembrança e isso a gente não compra.

    Ótimo texto Greg! Bjo!

    ResponderExcluir
  6. Apoiado! A melhor coisa de não ter namorado é não ter que gastar com presentes!!! aheiuaheiuhaiehaeu

    Adoro este blog!

    ResponderExcluir
  7. - Hagek: Hum... excelente perspectiva! Hahahha...

    - O Impenetrável: Apoiado! O lado comercial sempre pesa, infelizmente... Valeu pelo comentário!

    - Amanda Ramalho: Como eu disse, no dia 12 de junho, vale o amor demonstrado em 6X sem juros... hehehe.. Beijos e muito obrigado pelo comentário

    - Luciana Mello: Estamos aí para isso, hahahaha... Beijos

    - Anônimo: Muito obrigado!

    - Greicy: Muito bem colocado, como sempre, libriana. Beijos e muito obrigado

    - Nanda: É a melhor coisa de não ter, ainda mais em tempos de crise, hahaha... Valeu pelo comentário!

    ResponderExcluir
  8. Apêndice, querido!
    Voltei ao blog, "vim te ler" mais uma deliciosa vez!
    Engraçado como por vezes, me sinto tão igual a ti e por outras tão contrária ... por isso mesmo que é irresistível essa leitura, uma espécie de desafio, de auto conhecimento ..
    Sabes o quanto te admiro e gosto de tudo por aqui, teus textos permanecem de maneira surpreendentemente incríveis! (INVEJA!)
    Sempre que possivel,estarei por aqui prestigiando um dos meus autores preferidos.
    Um beijo querido!

    ResponderExcluir
  9. ah , então te achei no twitter :) bacana, que tu existe de verdade e não esta com um saco na cabeça :)

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. ''O dia dos namorados'' é mais uma data inventada pra arrancar de maneira fácil fácil o que com muito esforço conquistamos, nosso money, e assim como nas outras datas comemorativas, faz a culpa instalar em nós no momento em que não aderirmos a esse rito. Um verdadeiro dilema.
    Ótimo texto!

    ResponderExcluir
  12. Ei professor :)) (é, sou tua aluna no Michigan)

    Adorei mesmo tuas perspectivas sobre os pulsares dos corações.
    Escreve muito bem.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  13. Sinto uma tristeza tão profunda!! Sou idosa na casa dos 64 e tenho um namorado que se desfaz em mil e uma palavras pomposas, cheias de mimo, mas diz-me que somos namorados de ocasião. Alguém pode responder e ajudar-me? Não tenho necessidade dos valores materiais dele , ele sabe. Sou pessoa muito educada e ele tb.

    ResponderExcluir
  14. Adorei :) Já estava sentindo falta da sinceridade do Sr. Apêndice :)

    ResponderExcluir

Fala que o Sr. Apêndice te escuta...