quarta-feira, 5 de maio de 2010

"Te quero, mas não te quero..."

Tem contradições que só o amor é capaz de nos fazer viver. A incoerência do que sentimos e o desacordo do que dizemos, só são possíveis mesmo através dessa coisa insana. Afinal, que graça teria amar se não fosse pelas confusões e diversidades que esse sentimento nos faz sofrer? (Finjam que acreditam nisso, e tomar doses de calmante para dormir vai fazer muito mais sentido...)

Assim, nessa loucura, dizer "eu te amo" uma hora, e "eu não te suporto mais" em outra, é tão banal quanto um sanduíche de presunto e queijo. Querer estar perto e longe não se trata mais de uma questão relativa ao tempo e espaço, ideia que faria até o próprio Einstein jogar fora sua teoria e cortar os pulsos com uma faca de serrinha. Por isso, antes que vocês façam o mesmo porque o relacionamento chegou ao impasse do "quero, mas não quero", o titio Apêndice aqui vai tentar confundi-los ainda mais. (Se não der certo, lembre-se que a cachaça está aí para isso mesmo!)


A primeira coisa a se pensar, é que as pessoas são complicadas, complexas e cheias de manias. Logo, seus relacionamentos inclinam-se a seguir essas tendências. Uma pessoa confusa (daquelas que quando vai fazer vestibular, fica em dúvida entre Engenharia Agrícola, Enfermagem ou Filosofia...) possivelmente terá o mesmo comportamento quando inventar de se enfiar em uma relação. "Mas o comprometimento pode mudar uma pessoa, a deixar menos confusa", um de vocês certamente irá me alegar. Aham, e isso é tão certo quanto o Paraguai ganhar a Copa do Mundo. A dúvida é uma lêndia na cabeça das pessoas, alojada ali desde o dia em que se começa um relacionamento. O tempo dessa lêndia eclodir, virar piolho e começar a coçar pode variar, mas no entanto, para todos os efeitos, ela sempre estará lá. E não tem Escabin que a remova, nem mesmo se você for careca.


Outro ponto a ser considerado, e aí, eu jogo mesmo a batata quente sobre vossas mãos queimadas, vem por meio daquela pergunta clássica que nossos pais fazem constantemente: "o que você quer da vida?". Sim, isso mesmo! Um relacionamento tem tudo a ver com um objetivo de um padrão/modelo de vida que você deseja. Ok, sei que as palavras "modelo de vida" e "relacionamento" podem assustar mais do que um zumbi da Dercy Gonçalves e o ET de Varginha fazendo sexo em 2012, mas pensar sobre isso pode ser uma luz. Você quer farra? Beber até morrer e cair na pegação? Quer ficar só na tua, sem alguém te cobrando? Então para que você precisa de um comprometimento com alguém?

Ah, mas você gosta da pessoa... Já estão há um tempo considerável juntos, desenvolveram um sentimento e até caíram na asneira de dizer "te amo para sempre e nunca vamos nos separar." Por isso, ao olhar para a criatura do seu lado, não dá para imaginar por qual ralo escorreu todo aquele mundo de sentimentos intensos e aquela vontade, quase que vital, de estar ao seu lado. Antes, se a pessoa não ligasse, você quase morria de agonia. Hoje, você não faz mais nem questão de atender o celular, mesmo que ele(a) te ligue umas 10 vezes por hora.
Eu sempre me pergunto como alguém pode ainda querer continuar um relacionamento, mesmo com dúvidas e indiferenças? Bem, eu também vivo me questionando como tem pessoas que colocam piercings nas genitálias, gastam $550,00 dólares para comerem lesma no Ritz e votam no Sarney. E por mais que eu não compreenda essas e outras coisas, sei que o principal motivo de várias relações perdurarem e se arrastarem feito chinelos em um asilo, deve-se ao tal apego, oriundo da nossa mais íntima e profunda carência humana. Ora, se é tão difícil jogarmos fora certas coisas que nos trazem boas lembranças, seja lá um urso de pelúcia, um bilhete ou até mesmo um papel de bala, o que se dirá de um relacionamento!

A própria confusão, do querer e não querer tal pessoa, é no fundo uma dificuldade visceral que temos de nos desprender daquilo que tanto nos fez bem, como uma roupa favorita que não nos serve mais. Por isso ficamos tão agoniados, reclamamos tanto da situação a qual estamos submetidos. Queremos ficar livres, desimpedidos, mas nos negamos a pagar o preço por isso. E daí, de nada nos serve as indagações internas, os cálculos avaliando se vale mesmo a pena largar um relacionamento com tanta coisa vivida. Porém, o negócio, doa a quem doer, na maioria das vezes é tudo uma questão de egoísmo, pois ficamos tão focados nas nossas necessidades que quase esquecemos da outra pessoa. Ah, sim... a outra pessoa! Pois é, você está pronto para deixar ela também cair na gandaia e seguir sua nova vida, hein? Preparado para a ver beijando outra boca? Ver que você ali não tem mais mando de campo? É, eu sei, pimenta nos olhos dos outros é colírio...


Por isso, sejam objetivos e reflitam bastante quando chegarem nesse momento crucial de seus relacionamentos. Perguntem-se várias vezes: "consigo me imaginar daqui a uma semana, um mês, um ano ou um século ao lado dessa pessoa?" ou, "por que eu quero tanto essa criatura na minha vida, se eu não a aguento mais?". Não tem outro jeito, mas despedir-se de um relacionamento, é no fundo, dar um adeus para um pedaço de nós. A vida tem que seguir em frente, não adianta fazer birra, chorar e espernear. Felicidade não combina com "quero, mas não te quero", assim como o amor não tem boas relações com a dúvida.


Fica então a sabedoria daquele velho ditado, uma pérola da filosofia popular: "na vida, tem horas que ou se caga, ou se desocupa a moita". Pois, por mais que pareça o contrário, não podemos guardar as pessoas em uma gaveta e as deixar jogadas por lá, enquanto o mundo congela para pensarmos no que fazer. E cair na farra, óbvio...

24 comentários:

  1. Quanto mais se ama, menos se ama.

    O problema é um esboço simples de um enorme complexo subjacente. Amar é um movimento poético, mítico. Será possível amar dentro de um planejamento? Será que a razão total não cristaliza o amor?

    Talvez o amor não admita certeza que não o próprio amor e a mesma condição que nos permite amar seja a que vá tirar o nervo o amor.

    É uma discussão que só pode terminar em cerveja.

    Belo texto.

    ResponderExcluir
  2. Lindo Gregory!
    "Não tem outro jeito, mas despedir-se de um relacionamento, é no fundo, dar um adeus para um pedaço de nós."
    A mais pura verdade.
    Beijo, Natalie! ;)

    ResponderExcluir
  3. Só mesmo a mente do Gregory para ir de uma visão do inferno

    "podem assustar mais do que um zumbi da Dercy Gonçalves e o ET de Varginha fazendo sexo em 2012"

    até essa coisa linda

    "A própria confusão, do querer e não querer tal pessoa, é no fundo uma dificuldade visceral que temos de nos desprender daquilo que tanto nos fez bem, como uma roupa favorita que não nos serve mais."

    Eu to amando esse blog! Beijão

    ResponderExcluir
  4. "Já estão há um tempo considerável juntos, desenvolveram um sentimento e até caíram na asneira de dizer "te amo para sempre e nunca vamos nos separar."

    bem issooooo!!!!! e agora eu quero e não quero :(

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. "Ora, se é tão difícil jogarmos fora certas coisas que nos trazem boas lembranças, seja lá um urso de pelúcia, um bilhete ou até mesmo um papel de bala, o que se dirá de um relacionamento!" é verdade, ainda mais pra uma canceriana como eu, né. Acho que todo relacionamento que chega ao fim vem cheio de duvidas... E mesmo que aquele amor que existia no inicio não exista mais, não tem como não restar um grande carinho. Isso é o que torna mais dificil um termino. E, claro o costume de ter a pessoa pra você.. o sentimento de posse.

    "Pois é, você está pronto para deixar ela também cair na gandaia e seguir sua nova vida, hein? Preparado para a ver beijando outra boca? Ver que você ali não tem mais mando de campo? É, eu sei, pimenta nos olhos dos outros é colírio..."

    adoreei, gregory!

    ResponderExcluir
  7. Querido sr. Apêndice
    Vale "cinema ou medicina"? haha

    Na minha opinião, o melhor texto até agora.
    Parabéns, hein.
    beijão, Greg!

    ResponderExcluir
  8. Librianas como eu demoram a decidir as coisas! No entanto, apesar de ter pensado em vários cursos no momento do vestibular, se eu não tivesse arriscado experimentar dois cursos de áreas opostas (humanas/exatas), jamais teria esclarecido minha dúvida! Para sempre repetiria "e se eu tivesse..."
    Gosto de questionamentos (não foi a toa que escolhi o direito), por isso, a partir do momento que que eles aparecem é bom ir em busca da resposta imediata.
    Melhor não adiar o debate da questão seja dentro da nossa própria cabeça ou fora dela, diretamente quanto a outra pessoa do relacionamento. Quem não vai atrás de respostas acaba levando até o papel de bala para o asilo mesmo! hehe

    ResponderExcluir
  9. Concordo com a Gabi, melhor texto até agora!
    Isso aqui ainda vai virar terapia de grupo... ueoiueoi
    Beijoo!

    ResponderExcluir
  10. Nem me fale desses momentos do quero, mas não te quero. Eu acho q fico pior q a pessoa :/
    Concordo com as meninas. Melhor texto até agora Greg! Tu é fera!

    ResponderExcluir
  11. Fico sempre muito feliz quando vejo que minhas Crônicas estão fazendo o pessoal pensar sobre elas. Também fico extramamente contente, com o número de acessos e comentários que o blog tem recebido, apesar de existir a tão pouco tempo. Mais uma vez, e sempre, meu MUITO OBRIGADO!

    Agora vamos aos comentários...

    - G. Tortelli: Sobre teu comentário, andei pensando muito sobre a subjetividade do amor. Por teoria, o sentimento sempre segue os mesmo parâmetros, mas esbarram em sua própria complexidade, que é se não, o próprio amor. Só que esse já está em um estado avançado, amadurecido e até mesmo endurecido... Nossa! Concordo contigo, esse papo vai acabar em cerveja!

    - Anônimo (Natalie): Obrigado mesmo pelo comentário. Que bom que tu se identificou! Beijo :D

    - Luciana Mello: Hahahaha... Tu sabe né Lu, comigo tem que ter uma bizarrice e um lance de sublime ao mesmo tempo! Obrigado mesmo por comentar e ler o blog! Beijo

    - Anônimo: Hehehe... essa é a tendência! Abraço

    - Isa Heemann: Isa!!! Imaginei que tu como canceriana, ia logo se manifestar quanto a questão da posse e do cargo de levar as lembranças para sempre consigo. Já quanto as dúvidas e os fins nos relacionamentos, acho que por várias vezes, ambas são eternas. Ainda mais quando elas se encontram... Beijão e obrigado pelo comentário!

    - Gabriela Lamas: Ah Gabi... Se teu caso ainda fosse dúvidas entre Cinema e Medicina... Como se não estivesse claro o que caminho que se abre na tua frente! ;) Poxa, muito obrigado por considerar o melhor texto! Fico muito feliz com tua leitura. Beijão

    - greicyps: Librianas precisam mesmo serem guiadas certas vezes, nem que seja por seus próprios instintos ou pela sorte para tomar uma decisão! E nos relacionamentos, a enrolação poderia ser cortada logo no início, afim de termos as nossas respostas, boas ou ruins, o quanto antes, ao invés de ficarmos naquela energia da dúvida. E sim, tem gente que fica o resto da vida nessas, e levam papel de bala e corações pesados para o asilo mesmo. Beijo e valeu por comentar

    - Camila: Obrigado mesmo Camila! Pois é, do jeito que às coisas vão, isso daqui a pouco vira terapia de grupo! Algo que eu ia adorar! Hahahaa... Beijo

    - Morais: Valeu cara, e eu acho que eu também fico pior que a pessoa sobre o qual recaí o impasse. Abraço :D

    ResponderExcluir
  12. "Eu sempre me pergunto como alguém pode ainda querer continuar um relacionamento, mesmo com dúvidas e indiferenças? Bem, eu também vivo me questionando como tem pessoas que colocam piercings nas genitálias, gastam $550,00 dólares para comerem lesma no Ritz e votam no Sarney."

    Realmente. Também não sei como rebolation faz sucesso, nem Luan Santana Meteoro Da Paixão e nem como o Dunga não convocou o Neymar. HAHAHAHAHAHAHAHA

    Isso aí meu, mandando a ver! Ta muito massa!

    ResponderExcluir
  13. Lindo! Descreveu o que a gente sente nesses momentos perfeitamente. Ah se fosse facil trancar as pessoas em gavetas... Tudo de bom querido! Beijos ;)

    ResponderExcluir
  14. "Tem contradições que só o amor é capaz de nos fazer viver. A incoerência do que sentimos e o desacordo do que dizemos, só são possíveis mesmo através dessa coisa insana."

    Com certeza! Daqui a pouco a gente fica viva e morta ao mesmo tempo... :P
    Esse blog do jeito q ta, já virou um vicio! Os textos daqui parecem que foram escritos pra mim! Devo ser tbm uma "Sra. Apêndice! hahahahahahahahaha

    Parabéns pelas crônicas! ;)

    ResponderExcluir
  15. "Um namorado me disse, certa vez, que não estava feliz comigo. Achei justo que terminássemos. A última coisa que quero, no mundo, é fazer alguém infeliz. Se já não é fácil agüentar a própria infelicidade, agüentar a dos outros é quase impossível."

    Ótimo texto, outra vez!
    Obrigada pela dica ;)

    ResponderExcluir
  16. Valeu pessoal por mais comentários! Vamos a eles então:

    - Vinicius Sousa: Bah, a do Rebolation nem eu entendo! Hahahahaa... Valeu pelo comentário cara!

    - Laila: Se fosse fácil trancar as pessoas em gavetas, te garanto que várias estariam lá dentro agora. E não pelo caso de lembranças, mas porque elas são chatas mesmo! Hahahahaa... Obrigado mesmo pela leitura! Beijos :)

    - Dani: No amor, viver e morrer ao mesmo tempo faz parte, como diria Álvares de Azevedo! Então, basta nos acostumar! Obrigado pelos elogios, e eu acho, que assim como tu, todo mundo é um pouco Sr./Sra. Apêndice! Hahahahaa... Beijos

    - A.SFo.: Nani, tu disse tudo! O correto seria sempre escolher nossa felicidade, mas nem todo mundo tem pulso pra isso. Arrastam às coisas do jeito que estão, e ambos ficam infelizes. Obrigado pela leitura. Beijo

    ResponderExcluir
  17. "Ora, se é tão difícil jogarmos fora certas coisas que nos trazem boas lembranças, seja lá um urso de pelúcia, um bilhete ou até mesmo um papel de bala, o que se dirá de um relacionamento!"

    Chega uma hora que a gente já nem sabe se é amor, comodismo, posse ou medo de ficar sozinha. Difícil mesmo!

    Ótimo texto!
    Bom final de semana! Beijo

    ResponderExcluir
  18. É verdade Giovana. O pior é quando é amor, comodismo, posse e medo de se ficar sozinho, tudo ao mesmo tempo. Acredite, é possível. Obrigado pela leitura! Beijo Geminiana :)

    ResponderExcluir
  19. Ser objetivo às vezes é tão difícil... :)

    Ah e o autor do livro não é o guitarrista não, só o nome é igual hehehe

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  21. Márcio "BOBAS" Brum8 de maio de 2010 21:30

    Despedir-se de um relacionamento, é no fundo, dar um adeus... PARA UMA PESSOA QUE DURANTE MUITO TEMPO FOI NOSSO MELHOR AMIGO(A) E NUNCA MAIS VAI PODER SER, INFELIZMENTE!
    Um sanduiche de presunto e queijo pode ser banal, mas dependendo de como é feito e POR QUEM é feito, pode ser muito gostoso!

    ResponderExcluir
  22. gregory, direito ou medicina se encaixam aí? aiuhiuahe

    adoreei, o "te quero, mas não te quero" é ótimo hahah
    beeijos

    ResponderExcluir
  23. A própria confusão, do querer e não querer tal pessoa, é no fundo uma dificuldade visceral que temos de nos desprender daquilo que tanto nos fez bem, como uma roupa favorita que não nos serve mais. Por isso ficamos tão agoniados, reclamamos tanto da situação a qual estamos submetidos. Queremos ficar livres, desimpedidos, mas nos negamos a pagar o preço por isso. E daí, de nada nos serve as indagações internas, os cálculos avaliando se vale mesmo a pena largar um relacionamento com tanta coisa vivida. Porém, o negócio, doa a quem doer, na maioria das vezes é tudo uma questão de egoísmo, pois ficamos tão focados nas nossas necessidades, que quase esquecemos da outra pessoa. Ah, sim... a outra pessoa! Pois é, você está pronto para deixar ela também cair na gandaia e seguir sua nova vida, hein? Preparado para a ver beijando outra boca? Ver que você ali não tem mais mando de campo? É, eu sei, pimenta nos olhos dos outros é colírio...


    meu deus Gregory, achei perfeito!
    meus parabéns, é vicianteee ;)
    beijinhos

    ResponderExcluir
  24. É extremamente gratificante ver os comentários aumentando cada vez mais aqui no blog! Não canso de agradecer, por isso, mais uma vez: muito OBRIGADO a vocês, que passam por aqui e dão uma espiada nos meus textos! Vamos aos comentários:

    - Márcio "BOBAS" Brum: Com certeza, o difícil de também de se despedir de um relacionamento é a questão da amizade. Mesmo que as pessoas continuema amigas, daquela maneira que foi durante o período do relacionamento amoroso, nunca mais vai ser o mesmo. E concordo também com o esquema do Sanduíche de Presunto e Queijo, afinal quem é que não gosta do trivial. O porém é nos gostarmos, e a outra pessoa inventar de comer um Xis... Valeu Bobas pelo comentário sempre bem-vindo! Abraço

    - nathielenalmeida: Nathi, Nathi, Nathi... Se encaixar se encaixa, mas acho que tu já deveria estar num tribunal! Hahaha... Muito obrigado pelos elogios e pela leitura! Beijos :)


    - Tilara: Valeu mesmo Tilara! Adorei saber que tu gostou, e obrigado pelo "viciante"! Beijos ;)

    ResponderExcluir

Fala que o Sr. Apêndice te escuta...